Formação de atletas de Futebol – Posição Fixa ou várias posições?

Será que o futebol caminha para um futuro sem posições definidas?

formaçãoNa temporada de 2014 trabalhei no Novorizontino – SP, no projeto de formação de atletas. Na época eu tinha aproximadamente 7 anos de experiência com formação de atletas nas categorias de base da Portuguesa de Desportos e mais a minha formação acadêmica e meus estudos realizados tanto em cursos quanto de maneira autodidata (Livros, artigos, discussões, etc).  E lá em Novo Horizonte eu deparei com uma questão a qual eu quero dividir aqui: formar atletas em posição fixa ou formar atletas em várias posições?

Durante meus anos de Portuguesa eu me deparava com a seguinte situação: atletas vinham conversar comigo a respeito de estarem sendo usados em posições as quais não eram a sua de “origem”. E eu sempre falei o seguinte argumento: “ ‘Fulano’ você é zagueiro, certo? Vamos supor que você esteja jogando de lateral direito e que esteja se adaptando bem. Então você começa a fazer boas partidas pelo Sub 20 na lateral direita. Então no profissional abre uma vaga de lateral direito e a diretoria vem nas categorias de base procurar alguém. Você acha que suas chances aumentam sabendo jogar em duas posições ou seria a mesma se ficasse somente como zagueiro?” . Geralmente a resposta era que as chances aumentavam.

Com base nisso, você pode perceber que eu gosto de variar as posições dos atletas na base, principalmente nas categorias menores. Lógico que dando treinamento e tempo para que os atletas se adaptem para entrar confortável em uma partida oficial.

Exercendo esta ideia no Novorizontino, fui questionado em uma reunião com a diretoria: “Você improvisa muito! Tem que colocar o garoto na posição dele. Um lateral direito tem que ser formado como lateral direito.”

Então eu respondi dizendo que em nenhum momento eu improvisava, pois eu TREINAVA aquela situação de variação de posição. Bastava assistir aos treinamentos. E em segundo lugar, eu acredito que a formação é de atletas de Futebol. Atletas que saibam dominar, passar, cruzar, chutar, cabecear, marcar, se posicionar, ler o jogo, tomar decisões, entre outras coisas.

Sem posição

Durante a Faculdade, meu professor de basquete, Dr. Alexandre Moreira, dizia exatamente o mesmo tema em relação ao basquete: “Vocês sabem qual a grande falha do basquete aqui no Brasil? A falha é que na formação, todo mundo quer ganhar e não quer formar. No sub 13 o treinador coloca o maior jogador dele para atuar como Pivô. E o garoto, por ser maturado com 13 anos acaba se destacando, faz muitas cestas e joga a formação toda apenas nessa posição. O treinador é campeão, o garoto ganha um monte de troféus ‘girafinha’ e quando chega na idade de sub 17 ou sub 20, todos os companheiros acabam crescendo mais que ele (por não serem maturados precocemente) e então ele fica para trás e não consegue jogar no alto nível”.

Então fica a pergunta: Por que não coloca o garoto como armador? (visto que o armador pode ter uma estatura menor). Simples resposta: ele foi FORMADO a vida toda como Pivô. A dificuldade de se adaptar em outra posição é muito maior na fase adulta. As situações, as ações e as tomadas de decisão são totalmente opostas.

E No futebol não é diferente. Ninguém tem bola de cristal para saber o futuro de qualquer pessoa. Não sabemos se aquele garoto grandão no sub 13 ou sub 15 será zagueiro mesmo. Ou até mesmo um centroavante que fica parado próximo da área.

Quanto mais o atleta vivenciar durante a sua formação diferentes posições, mais repertório é dado para que ele se adapte melhor para as situações que ele pode necessitar durante a sua carreira na equipe profissional. Todos nós sabemos que as diferentes posições exigem diferentes Regras de ação. A abordagem de marcação de um zagueiro é diferente da abordagem de um volante, que também são diferentes de um lateral, por exemplo.

Fazer com que os atletas vivenciem diferentes situações em diferentes contextos podem fazer que se “descubra” qualidades antes não conhecidas a respeito deste atleta. Não podemos cair no senso comum de que “aquele jogador que joga em muitas posições, é sinal de que não joga bem em nenhuma”.

Vejo uma evolução no futebol através de uma ótica de variação. Guardiola conseguiu fazer com que diversos jogadores não tenham posições fixas durante a partida, tanto no Barcelona como no Bayern. Por aqui no Brasil, vejo Fernando Diniz trabalhar bem este conceito.

E vale lembrar que não é algo de hoje. A Holanda de 1974, de Rinus Mitchels, já pensava e agia sob este conceito.

mudanças de posição

E para exemplificar estas atuações, ontem no jogo entre Brasil x Peru, Renato Augusto alternava muito entre ser um volante e ser um meia. Em outros jogos, tanto na seleção como em clubes, Willian é outro jogador que já mostrou ser versátil e que sabe jogar de diferentes maneiras. Assim como Neymar, David Luís… Quem diria que um dia Mascherano seria um grande zagueiro.

Não devemos pensar em formar posições. Devemos pensar em formar BONS jogadores de FUTEBOL.

E você, o que pensa sobre este assunto? Ajude-nos a fazer um Futebol Inteligente! Um futebol pensado diferente!

Grande abraço

Deixe seu Comentário

5 opiniões sobre “Formação de atletas de Futebol – Posição Fixa ou várias posições?

  1. Acho que apesar do momento pedir que o jogador faça mais de uma função, o primordial é que ele seja mto bom em uma posição específica. Hj temos muitos meia boca que jogam em várias posições e poucos especialistas.
    Parabéns pelo ótimo tema!

    1. Caro Pedro, obrigado por participar e deixar a sua opinião!
      Na verdade o problema não é saber jogar em uma ou mais posições, dentro da sua ideia. O problema é que está chegando no futebol de alto nível jogadores que não são bons nem tecnicamente, nem taticamente e nem cognitivamente. E por isso você acredita que há muitos “meia boca” por aí, independente da posição ou se joga em mais que uma posição.
      Para isso, devemos melhorar tanto a formação quanto os treinamentos nas categorias profissionais, que também deixam a desejar!
      Grande abraço

  2. Excelente tema!
    Sou treinador e estou no futebol há vários anos, trabalhando na captação e na formação de jovens atletas. O primordial é o treinador formador, observar e colher informações das características naturais de cada jogador, aquilo que é dele, nasceu com ele… Usar de suas melhores habilidades para exercer funções que ele esteja apto a desempenhar. Ele mesmo te dará as respostas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *